Alunos da rede estadual de ensino retornam às aulas com ensino remoto

FOTO Emerson Martinz 02

Ano letivo de 2021 teve início nesta quinta-feira (18/02) com o projeto “Aula em Casa”, que atenderá mais de 400 mil estudantes

Lápis apontados, livros separados, caderno em cima da mesa. Neste ano, mais uma vez as carteiras deram lugar ao sofá de casa, porém, mesmo com o cenário diferente da boa e velha e sala de aula, a disposição em aprender segue a mesma para boa parte dos mais de 400 mil estudantes da rede estadual de ensino. Eles retornaram às aulas em novo ano letivo nesta quinta-feira (18/02), por meio do projeto “Aula em Casa”, criado pelo Governo do Amazonas com o objetivo de promover a acessibilidade da educação em todo o estado.

FOTO Emerson Martinz 01

A estudante Ana Paula Batista, 17, é aluna do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Senador João Bosco, localizada no bairro Cidade Nova, zona norte da capital. Iniciando o último ano escolar, a jovem conta que a experiência com o “Aula em Casa” no ano passado vem ajudando na adaptação à nova rotina de estudos que ela irá encarar durante a preparação para o vestibular de Medicina.

“Como nós começamos desde o ano passado, eu já estou mais acostumada. E, como é meu último ano do Ensino Médio, eu estou muito focada porque vai vir o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), PSC (Processo Seletivo Contínuo), SIS (Sistema de Ingresso Seriado) e outras provas muito importantes para que eu possa ingressar em uma universidade pública, o que é minha grande meta no momento” , disse a estudante.

Para a jovem, os resultados obtidos por meio do projeto, desenvolvido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc), em seu aprendizado têm sido positivos. Ela destaca ainda que a facilidade de uso da plataforma e o apoio dos professores, por meio dos grupos de mensagem, têm sido fundamentais para que ela e os colegas não se sintam prejudicados e possam dar andamento aos estudos com qualidade.

“Os professores vieram nos apoiando bastante e tentando nos botar no caminho para que a gente conseguisse se focar e manter aquelas metas bem altas. Como a gente tem grupos no Whatsapp, onde a diretora, os professores, eles ficam encaminhando, fica bem mais fácil, porque a gente sabe onde fica. As plataformas são ótimas, porque o desempenho tem sido muito bom, desde o ano passado para cá”, analisa Ana.

Pais – As mudanças na forma de ensino em decorrência da pandemia de Covid-19 também impactaram diretamente a rotina de pais e mães dos estudantes. A assistente social Narai Ribeiro é mãe de Sarah, 11, Ana Luisa, 9, e Samuel, 4, todos alunos da rede pública de ensino. Ela conta que, além de fazer o acompanhamento das aulas pessoalmente junto com o marido, ambos buscam complementar as atividades passadas pelos professores por meio de aplicativos lúdicos.

FOTO Emerson Martinz 07

“Nós passamos aula de reforço, colocamos assuntos e buscamos na internet aplicativos de leitura, jogos de matemática, e estamos associando a esse ensino. Nós somos totalmente apoiadores do ‘Aula em Casa’ e, assim, podemos averiguar que eles avançaram um pouco mais, porque em casa podemos puxar um pouco mais o ritmo do estudo deles. Com esse acompanhamento, meu e do meu esposo, nós temos alcançado bons índices com eles”, diz.

‘Aula em Casa’ – Neste ano, o projeto “Aula em Casa” terá seis canais de televisão simultâneos, voltado para os conteúdos dos Anos Iniciais, Anos Finais, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, por fim, um terceiro com as aulas para o Ensino Médio.

Fora as transmissões pela televisão, os estudantes também poderão acompanhar aos conteúdos do “Aula em Casa” por meio de plataformas digitais, tais como Plataforma Saber+, aplicativo Aula em Casa e YouTube. Todas as informações sobre o programa, incluindo a programação das primeiras semanas, estão disponíveis no link www.educacao.am.gov.br/aula-em-casa.